sábado, 23 de setembro de 2017

¡ANTE EL DESASTRE Y LA NEGLIGENCIA DEL GOBIERNO, PASEMOS DE LA SOLIDARIDAD ESPONTÁNEA A LA ORGANIZACIÓN Y MOVILIZACIÓN DE PUEBLO MEXICANO!

 A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, texto e atividades ao ar livre
¡ANTE EL DESASTRE Y LA NEGLIGENCIA DEL GOBIERNO, PASEMOS DE LA SOLIDARIDAD ESPONTÁNEA A LA ORGANIZACIÓN Y MOVILIZACIÓN DEL PUEBLO MEXICANO!
El 19 de septiembre se ha convertido en una fecha de doble luto para los mexicanos producto de los terremotos y de la ambición del gobierno e inmobiliarias. Treinta y dos años después del terremoto de 1985, la CDMX, ahora, junto a Morelos, Puebla y el Edomex se cimbraron con un temblor de 7.1 grados, cuyos resultados hasta ahora son de 295 personas fallecidas, la mayoría en la capital del país, más miles de casas y edificios devastados en todos los estados afectados.
Aunque el sismo de este año fue 10 veces menos fuerte que el del ´85 y causó menos afectaciones que aquél, nos sigue mostrando que no estamos preparados en términos de infraestructura para soportar este tipo de desastres debido, principalmente, a la corrupción de las autoridades que permitieron que las edificaciones dañadas en el ´85 se ocuparan sin la restauración adecuada o ésta se realizó sin cumplir las normas. Actualmente, vemos cómo crece el grado de corrupción de los funcionarios de todos los niveles que en contubernio con las grandes inmobiliarias, construyen con dinero del pueblo obras que ponen en peligro a la población como la Guardería ABC, el socavón en el Paso Exprés de Cuernavaca y, ahora, la Primaria Enrique Rebsamen.
El cinismo ha llegado a tal punto que el gobernador de Morelos, Graco Ramírez, declaró en Jojutla, que la fase de rescate de personas había terminado e iniciaba la fase de remoción de escombros y de reconstrucción, ¡a menos de 24 horas del sismo! Seguramente ya tienen negocios apalabrados con las inmobiliarias -a quienes les urge cobrar los seguros y no dejar huella de sus corruptelas. El jefe de gobierno, M. Ángel Mancera junto con el gobierno federal, está haciendo lo mismo en la CDMX; a tres días del sismo amenaza con meter maquinaria para la remoción de escombros sin importarle las declaraciones de rescatistas y familiares de que todavía hay gente bajo los escombros y que probablemente, muchas de ellas puedan estar con vida. El gobierno federal en vez de ayudar a los damnificados solo se ha dedicado a reprimir la solidaridad del pueblo a través de la marina, el ejército y la policía local para acordonar las zonas afectadas, desalojar a los voluntarios, incluso por la fuerza, como pretendió hacerlo en la colonia Obrera donde se derrumbó una textilera donde laboraban mujeres -en su mayoría migrantes- pero donde los voluntarios lograron frenar a las fuerzas represivas y continuar con la labor de rescate ¡Llamamos a resistir reforzando las guardias, plantones y vallas humanas en todos los puntos de desastre en donde la policía y demás cuerpos represivos de las autoridades están tratando de desplazar a los voluntarios civiles e imponer "orden" por la fuerza e, incluso, meter la maquinaria pesada en lugares donde aún hay posibilidades de encontrar gente viva, o es necesario sacar los cuerpos, asimismo, donde pretenden demoler edificios sin el consentimiento de sus habitantes!
En la Escuela Rebsamen, la presión de los rescatistas, voluntarios y de la población en general, logró también que el gobierno diera marcha atrás a las máquinas para que se continuara con las labores de rescate. Sin embargo, en la colonia Roma y otros puntos de la ciudad, el gobierno metió ya sus máquinas frente a los ojos atónitos de familiares y amigos de las víctimas atrapadas. ¡Es un acto asesino de estos gobiernos al limpiar las zonas afectadas para las inmobiliarias que pretenden levantar sus edificios sobre los cuerpos de las víctimas!
Al unísono con el gobierno, las televisoras han tenido un papel deplorable primero con llamados a quedarse en casa el día del temblor, mensaje que, afortunadamente, no fue acatado por la población y, después, armando un show con la inexistente niña Frida en la primaria Rebsamen para distraer a la población, ocultar las muestras solidarias de la población y tratar de recomponer la imagen nefasta del gobierno y sus militares. Ello no logró calmar la rabia de la población contra de los funcionarios de todos los niveles que no les están dando ningún apoyo, o por el contrario, se la apropian como es el caso de la presidenta del DIF en Morelos que retuvo el acopio solidario que iba hacia las comunidades de la entidad pero que el pueblo se organizó ¡para rescatar dicho acopio y retomar el control de su distribución! 
En varios lugares, los voluntarios y vecinos afectados, han corrido a las autoridades cuando llegan solo a tomarse la foto, desde el mismo Secretario de Gobernación, Osorio Chong, en la colonia Obrera, hasta el delegado de Xochimilco por MORENA, Avelino Méndez. En su voraz ambición, el gobierno está provocando aún más la cólera de la gente que, de por sí, ya desconfía del gobierno y de sus partidos. Sin lugar a dudas, la cínica actuación de los gobernantes y los partidos están poniendo todas las condiciones para que las elecciones del 2018 se den en un ambiente de alta tensión, inestabilidad y completo descrédito hacia el régimen y sus instituciones. La gente está pidiendo que el dinero presupuestado a los partidos e instituciones electorales para las campañas se destine a las miles de familias de los damnificados, de lo contrario, el costo político será alto ¡Que se cancelen las campañas electorales, pues la ciudadanía ya ha conocido en carne propia el actuar de cada uno de los partidos ante esta tragedia!
En resumen: lo que reveló de inmediato este desastre fueron dos cosas: a) una vez más la enorme incapacidad y desinterés de las instituciones gubernamentales para atender el desastre y b) la masiva y firme solidaridad de la población que se convirtió en millones de voluntarios para las labores de rescate, de recolección y distribución de acopio, la mayoría de estos, jóvenes entusiastas que desde los minutos posteriores al sismo y durante ya 4 días, continúan en las labores de apoyo. ¡Juventud ejemplar y combativa luchando por su pueblo!
Sin embargo, reina también una gran desorganización y desinformación resultado principalmente de la ineficacia y hermetismo del gobierno y que, incluso, ellos mismos han promovido mediante mensajes falsos y el desvío o retención de apoyo a través de Protección Civil en las cabeceras municipales. Por otro lado, debido a que no existe un referente que centralice la información y la organización para una mejor distribución de las brigadas de apoyo, según las necesidades específicas de cada zona de desastre. Contrario al caso de Oaxaca donde la sección 22 ha tenido un papel fundamental debido a su peso moral y a la presencia estratégica de los maestros que les ha permitido una mejor atención del sismo del 7 de septiembre. Por ejemplo, hay lugares como el centro de la CDMX que se desbordaron de manos de ayuda y víveres; mientras otras zonas más alejadas o en los estados como Morelos y Puebla les falta apoyo. ¡La magnitud del desastre nos exige pasar de la solidaridad espontánea al apoyo organizado y continuado pues las labores de reconstrucción tomarán semanas o meses!
Es preciso convocar a una Coordinación General de Brigadistas y Colonos Afectados del área metropolitana que elabore un diagnóstico general por colonia, municipio y estado afectado para detectar las necesidades primordiales y distribuya así las brigadas específicas. Se requiere la formación de comités o asambleas vecinales en las zonas afectadas que participen en ese diagnóstico que administren los alimentos y recursos para la contingencia y participen en la reconstrucción de sus comunidades. 
En medio del desastre,el gobierno pretende regresar a la “normalidad” y ya está llamando al regreso a clases a partir del próximo lunes 25 de septiembre, así como, muchas empresas cuyos establecimientos presentan daños visibles han obligado de manera irresponsable a sus trabajadores a laborar en esos inmuebles, so pena de despido, violando claramente condiciones de seguridad mínimas. Ante ello como Agrupación de Lucha Socialista exigimos que no haya vuelta a clases hasta que todas las escuelas en todos los niveles hayan sido revisadas por comisiones independientes de expertos y se garantice la seguridad de las comunidades escolares. De igual forma, ¡que los trabajadores formen asambleas en sus centros de trabajo para oponerse al regreso de labores hasta que se garanticen las condiciones de seguridad en sus centros de trabajo y para oponerse a los despidos injustificados por ausentismo!
Asimismo, a tres años de la desaparición de los normalistas de Ayotzinapa, convirtamos la movilización de este 26 de septiembre en una gran protesta por el desastre humanitario, social y económico provocado por este régimen político-económico neoliberal así como el conjunto de sus instituciones y partidos que han quedado rebasados y han dado muestras de parálisis, ineptitud y desvergüenza ante la tragedia que enfrenta nuestro país; extendamos el reclamo al gobierno
¡FUERA EPN Y LOS GOBERNADORES INCOMPETENTES DE CDMX, MORELOS, EDOMEX Y PUEBLA ASÍ COMO SUS DELEGADOS Y PRESIDENTES MUNICIPALES!
¡CÁRCEL A TODOS LOS FUNCIONARIOS, DUEÑOS DE COMPLEJOS INMOBILIARIOS Y COMPAÑÍAS CONSTRUCTORAS CORRUPTAS CULPABLES DE ESTA TRAGEDIA!
¡TODO EL DINERO DE LAS CAMPAÑAS HACIA LA REPARACIÓN DEL DAÑO Y RECONSTRUCCIÓN COMPLETA DE SUS CASAS A TODAS A LAS FAMILIAS DAMNIFICADAS!
¡POR LA CONSTRUCCIÓN DE UN GOBIERNO DE LOS TRABAJADORES DEL CAMPO Y LA CIUDAD QUE VERDADERAMENTE ATIENDA Y RESUELVA LAS NECESIDADES DEL PUEBLO MEXICANO!
AGRUPACIÓN DE LUCHA SOCIALISTA - ALS

domingo, 10 de setembro de 2017

Myanmar: Solidariedade com a insurreição dos muçulmanos Rohingya!

Resultado de imagem para Rohingya Muslims
Não ao Chauvinismo Budista do Regime! Pelo Direito de autodeterminação nacional do povo Rohingya!

Declaração da Corrente Comunista Revolucionária Internacional(CCRI), 27.08.2017,  
www.thecommunists.net


1.   Mais de 1.000 combatentes armados da minoria perseguida muçulmana Rohingya de Myanmar lançaram uma onda de ataques contra postos militares e policiais em mais de 25 locais diferentes. O denominado Exército de Salvação Arakan Rohingya reivindicou a responsabilidade pelos ataques. Afirmou que esses ataques reagiram a "um bloqueio [do município de Rathetaung no norte de Rakhine, Ed.] Por mais de duas semanas, que está fazendo morrer de fome o povo de Rohingya. (...). À medida que se preparam para fazer o mesmo em Maungdaw ... devemos eventualmente intensificar-nos para afastar as forças colonizadoras birmanes ". (Al Jazeera, 26.8.2017). No mínimo menos 77 muçulmanos Rohingya e 12 membros das forças de segurança foram mortos durante esses ataques, de acordo com o regime.

2.   Essas ações de guerrilha são o resultado do horrível tratamento dado aos muçulmanos Rohingya que foram descritos pelas Nações Unidas "como a minoria mais perseguida do mundo". Os muçulmanos Rohingya são uma minoria étnica de cerca de 2 milhões de pessoas que sofreram perseguição sistemática pelo regime de Myanmar desde muitas décadas. Principalmente localizado em Arakan (agora chamado estado de Rakhine pelo regime) no noroeste do país, eles têm exigido independência ou pelo menos autonomia desde o início de Myanmar (Birmânia) como um estado independente em 1948.
3.   Myanmar é um estado altamente multinacional com 135 grupos étnicos diferentes reconhecidos oficialmente pelo governo (e muitos mais que não são reconhecidos). Juntas, essas minorias constituem pelo menos 32% da população (as maiores minorias são os muçulmanos Shan, Karen, Mon e Rohingya). No entanto, o regime - que sempre foi capitalista, independentemente da sua ideologia pseudo-socialista no passado – tem praticado uma política de opressão chauvinista contra as minorias nacionais e étnicas ("Burmanização") que se baseia na ideologia ultranacionalista da  " pureza" racial.

4.   Em outubro de 1982, a ditadura militar introduziu a Lei de Cidadania da Birmânia que negou oficialmente a cidadania birmanesa aos muçulmanos Rohingya. É negado a eles o acesso à educação universitária e aos empregos no setor público. Os Rohingya vivem em condições extremamente empobrecidas e 60% não possuem terra. Eles têm uma taxa de mortalidade infantil de até 224 óbitos por 1.000 nascidos vivos, mais de 4 vezes a taxa para o resto de Myanmar! O regime nega a sua existência como uma minoria étnica e alega que os muçulmanos Rohingya são imigrantes ilegais do Bangladesh. Como resultado, o exército implementa uma política de limpeza étnica sistemática, resultando na expulsão de centenas de milhares de muçulmanos Rohingya que atualmente vivem como refugiados em Bangladesh e em outros países. Hoje, apenas   1,1 a  1,3 milhões de muçulmanos Rohingya ainda vivem em Mianmar. Eles constituem cerca de 90% da população no norte do estado de Rakhine.
5.   É importante ressaltar que a brutal perseguição aos muçulmanos Rohingya não é apenas implementada pela burocracia militar que tem governado o país há décadas, mas também por Aung San Suu Kyi, um político burguês que foi aclamado pela mídia ocidental como um democrata e quem é o primeiro ministro de facto desde abril de 2016.

6.   Oficialmente, as Nações Unidas protestam contra a brutal perseguição aos muçulmanos Rohingya. Em agosto de 2017, o ex-secretário geral da ONU, Kofi Annan, divulgou um relatório oficial que critica (em linguagem diplomática) a situação dessa minoria étnica. No entanto, como o imperialismo chinês e norte-americano estão lutando pela influência em Mianmar, nenhum deles está disposto a enfraquecer sua posição por causa de uma pequena e pobre minoria étnica.


7.   A CCRI apoia incondicionalmente a luta dos muçulmanos Rohingya pela sua autodeterminação nacional. É tarefa dos socialistas, e de fato, de todos os democratas consistentes, apoiarem o desejo dessa minoria oprimida de decidir livremente se desejam ganhar autonomia dentro de Mianmar, se desejam se juntar ao Bangladesh ou se desejam constituir um estado independente. Como os muçulmanos Rohingya enfrentam uma brutal perseguição pelo estado de Myanmar, eles têm todo o direito de lançar uma luta armada pela sua liberdade. De fato, a história ensina aos oprimidos que nunca conseguem alcançar a liberdade e a justiça sem uma luta armada contra a classe dominante!

8.   Como comunistas revolucionários, nos opomos a ideologia islamista e nacionalista pequeno-burguesa à qual o Arrak Arakan Rohingya (ARSA) - bem como a maioria de suas organizações antecessoras desde 1948, como o Partido da Libertação Rohingya, a Frente Patriótica Rohingya ou a Organização Rohingya de Solidariedade - adere. No entanto, isso não altera o fato de que a revolta dos muçulmanos Rohingya - atualmente liderada por forças como a ARSA - é profundamente legítima e merece o pleno apoio de todos os socialistas e democratas consistentes!


9.   A CCRI chama a atenção dos muçulmanos Rohingya e de todos os defensores de sua luta de libertação para o fato de que a experiência histórica demonstrou que a liberdade e a igualdade só podem ser garantidas se os trabalhadores, camponeses pobres e jovens assumirem o poder em suas próprias mãos. Qualquer outra solução resultará na usurpação do poder por pequenas elites que vão rifar seu povo aos monopólios imperialistas e às Grandes Potências. É por isso que os revolucionários autênticos lutam pela criação de um governo de trabalhadores e camponeses pobres que possam abrir caminho para o socialismo.

10.               A CCRI convoca todos os socialistas e revolucionários em Mianmar e em todo o mundo a unir forças para construir organizações revolucionárias como parte de um novo partido revolucionário mundial!

*    Solidariedade com o levante dos muçulmanos Rohingya!

* Pelo direito da autodeterminação nacional dos muçulmanos Rohingya - incluindo o direito de se separar!

*   Garantia imediata de direitos de cidadania completa para os muçulmanos Rohingya e todas as minorias étnicas em Myanmar!

* Abaixo o regime capitalista Budista chauvinista de Mianmar!

* Por um governo de trabalhadores e camponeses pobres!

* Vida longa à revolução! A luta continua!

LUTAR CONTRA A LEI TRABALHISTA DE MACRON: É HORA DE SACUDIR A FRANÇA ATÉ SUAS BASES!



 Declaração do Secretariado Europeu da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI), 28 de agosto de 2017, www.thecommunists.net
1. Depois que o Senado francês e a Assembleia Nacional aprovaram o novo projeto de lei trabalhista da Macron, pela primeira vez o furioso ataque do novo presidente contra a classe trabalhadora francesa tornou-se visível. Ficou claro desde o início que o presidente francês Emmanuel Macron e seu recém-fundado partido burguês La République En Marche! (A República em Marcha!) Representam uma grave ameaça para os trabalhadores e oprimidos na França. O projeto de lei trabalhista é o primeiro, mas não o último ataque contra os direitos dos trabalhadores que o novo governo pretende implementar. A lei está programada para entrar em vigor no final de setembro. Em nome da Corrente Comunista Revolucionária Internacional (CCRI), o Secretariado Europeu chama os trabalhadores e oprimidos na França a organizar protestos em massa, inclusive uma greve geral para derrubar o novo projeto de lei.

2. A nova lei trabalhista foi introduzida por Macron com o objetivo de "liberalizar e flexibilizar o mercado de trabalho". Isso não é nada mais nada menos do que aquela da conversa da burguesia no sentido de "aumentar a miséria dos trabalhadores para aumentar os lucros dos chefes". Não é de admirar que a nova lei trabalhista inclui a flexibilização completa da jornada de trabalho. A nova lei dá quase todo o poder às negociações nos próprios locais de trabalho individuais, enfraquecendo assim a influência das negociações (sindicais) em todas as indústrias. A lei oferece aos trabalhadores que são dispensados sem justa causa menos direitos do que antes. Várias entidades do movimento trabalhista serão fundidas, tornando-se ainda mais difícil para os setores mais radicalizados dos sindicatos funcionarem com sucesso em locais de trabalho. Embora não seja eliminado formalmente, a nova lei trabalhista abre caminho para o fim da jornada de trabalho de 35 horas semanais.

3. Consequentemente, é extremamente importante e urgente que o movimento sindical derrote com sucesso este primeiro grande ataque e coloque toda a sua força de resistência contra o novo governo. Por isso, apoiamos o dia nacional de greve planejado pela central sindical militante Confederação Geral do Trabalho- CGT para 12 de setembro e convidamos todos os outros sindicatos e organizações trabalhistas a participar e se mobilizar nessa data. A CCRI e o seu Secretariado Europeu condenam o maior sindicato francês, a Confederação Francesa Democrática do Trabalho-CFDT, e o terceiro maior, Force Ouvriere (FO), por se recusarem a participar dos protestos. Nenhum trabalhador pode esquecer que a CFTD se opôs à mobilização dos protestos impressionantes e militantes contra a última lei trabalhista reacionária (a lei El Khomri) implementada pelo governo Hollande em 2016. Exortamos os ativistas sindicais dentro da CFDT e FO a agirem contra a intenção de inércia desses burocratas pressioná-los a se mobilizarem para o dia de ação planejado, ou seja, 12 de setembro. No entanto, o governo Macron não cancelará a nova lei trabalhista por causa de somente um dia de greves de massa. Na verdade, apenas uma greve geral por tempo indeterminado tem o potencial de derrubar essa nova lei. A greve geral por tempo indeterminado abre o caminho para derrubar o novo governo. No entanto, essa greve deve estar bem preparada, bem organizada e com forte adesão por parte da classe trabalhadora.

4. O estado de emergência permanente já está sendo usado na França contra greves e manifestações e de se esperar que o governo fará uso dele. Macron adotou as medidas de emergência  do antecessor governo de François Hollande para incluir restrições em greves e assembléias. O que ainda eram medidas excepcionais sob o governo de Hollande tornaram-se características permanentes e normais na presidência de Macron. A polícia recebeu poderes extraordinários sob o estado de emergência, e estes também estão sendo usados ​​no contexto de buscas domiciliares e outras violações de direitos civis. O estado de emergência foi prolongado cinco vezes desde os ataques em Paris de 13 de novembro de 2015. Macron conseguiu uma protelação adicional até 1 de novembro deste ano. Portanto, é vitalmente urgente que os trabalhadores nos sindicatos e locais de trabalho comecem a se preparar para proteger e defender a greve de massa de 12 de setembro, formando comitês de autodefesa. Convocamos todos os revolucionários, todas as organizações progressistas, bem como todos os militantes do movimento trabalhista a unir forças na criação de tais unidades de autodefesa.

5. Apesar de dar apoio verbal para a greve de 12 de setembro, Jean-Luc Mélenchon e seu partido França Insubmissa (France Insoumise) organizaram um dia de ação para 23 de setembro. A base programática do França Insubmissa não pode ser caracterizada como anticapitalista, mas de fato como social-imperialista, pequeno-burguesa e populista. Tem uma série de demandas progressistas, incluindo o fortalecimento do sistema de saúde, o aumento do salário mínimo e o aumento do valor mínimo de aposentadoria. O França Insubmissa também rejeitou a Lei El Khomri de 2016, que em si é uma postura progressista. No entanto, sua estratégia para o movimento trabalhista é incluir o último em uma nova forma do Estado imperialista francês, uma "VIª República". Este partido fantasia sobre uma 6ª República com Mélenchon como seu novo presidente. Além de algumas demandas progressistas, o França Insubmissa está inundado no nacionalismo francês, que no final de contas torna-se inundado no mar do imperialismo. Não é de admirar que eles planejem um dia diferente de ação de greve. Mesmo que o França Insubmissa tenha sido fundado por forças reformistas-burocráticas dentro do movimento trabalhista, ele se transforma rapidamente em uma força populista pequeno-burguesa de esquerda fora do movimento trabalhista.

6. Outras forças, como o NPA (Novo Partido Anticapitalista), estão assumindo definitivamente a posição correta apoiando e mobilizando para a greve de massa em 12 de setembro, ao mesmo tempo que criticam o França Insubmissa por não se orientarem para o anticapitalismo, para a classe trabalhadora, e para o movimento trabalhista como tal. No entanto, em todos os casos, o NPA tem sido muito pouco crítico com o França Insubmissa, e também não conseguiu fundir-se com elementos de massa, como obviamente tornou-se necessário após os fracos resultados das últimas eleições. Enquanto o NPA critica corretamente o França Insubmissa pelo seu sectarismo em relação aos órgãos do movimento trabalhista, pelo seu sistema partidário antidemocrático, pela sua rejeição à política da classe trabalhadora e pelo seu foco principal no sistema eleitoral em vez de se mobilizar nas ruas - o NPA não condena a posição chauvinista, pró-imperialista do França Insubmissa e outros elementos fundamentais relacionados da agenda política deste último. Isso se constitui numa cegueira fatal e numa crítica muito pedagógica de um partido em um país que está liderando a União Europeia imperialista, que tem uma história como potência colonial, e isso não sendo apenas pelo fato explorar e ocupar uma série de países semicoloniais, mas que também está super-explorando um grande número de imigrantes. A abordagem inconsequente e amigável do NPA levou o partido chamar erroneamente seus apoiadores a votar nos candidatos do França Insubmissa (e do CPF) no seguno turno das eleições, pois eles supostamente eram candidatos com uma "clara posição contra futuros ataques aos direitos trabalhistas, pensões, segurança social e contra aqueles que apoiam essas medidas de ataque ". Sem críticas consistentes ao França Insubmissa, as ilusões da NPA de atrair elementos de massa em suas fileiras não podem ser alcançadas. Em vez disso, diante das iminentes investidas do governo Macron, o movimento trabalhista deve se preparar para a luta, unindo forças com os órgãos dos oprimidos, como organizações de migrantes e outros. Uma abordagem incorreta em relação aos social-imperialistas só pode levar ao risco de quebrar o próprio pescoço.

7. Existe uma situação muito perigosa para a classe trabalhadora francesa, para a juventude, para todos os que são de origem imigrante: os partidos dos quais o movimento dos trabalhadores se afastou estão todos em mau estado, alguns não se recuperarão do desastre das eleições de 2017. Macron aproveitou o fato de que muitos não queriam que Marine Le Pen e a Frente Nacional ganhassem as eleições e, portanto, se abstiveram totalmente de votar ou votaram propositadamente com votos nulos. O governo resultante de Macron é um governo das corporações multinacionais e do capital financeiro. Embora a sua forma seja ostensivamente nova, o governo Macron, na verdade, é uma continuação da política do governo de Hollande. Afinal, Macron fez parte por um tempo do governo Hollande. A derrota histórica do Partido social democrata nas eleições francesas foi inteiramente justificada com base em toda a sua política flagrante contra os interesses da classe trabalhadora e dos imigrantes.

8. Diretamente após as eleições presidenciais, uma "Frente Social" foi formada por ativistas provenientes das iniciativas contra a Lei El Khomri, sindicalistas da CGT, tais como Goodyear e outros grupos sindicais da CGT, SUD/Solidaires, relacionados ao NPA e outros agrupamentos. Eles foram capazes de realizar uma série de manifestações e realizar reuniões em todo o país para discutir a formação de uma "Frente Social" de massa, mas o número de adeptos manteve-se bastante pequeno. Em Paris, entre 1.000 e 3.000 ativistas se uniram. Esses números não serão suficientes para impedir a política de Macron e de sua implementação dos interesses das corporações multinacionais e do capital financeiro, enfraquecendo os direitos dos trabalhadores. No entanto, a iniciativa "Frente Social" foi um primeiro passo importante que deve comprovar a sua militância na próxima greve de massa de 12 de setembro.

9. Os revolucionários na França devem defender uma greve geral por tempo indeterminado contra a nova lei trabalhista. Essa greve é extremamente ameaçadora para a classe dominante, pois tem o potencial de dar um golpe mortal no novo governo. É crucial que os revolucionários apliquem a tática da frente única no período a seguir. Eles devem chamar os sindicatos e vários partidos de esquerda (por exemplo, PCF, França Insubmissa, Frente Social, NPA, LO, etc.) para formar uma frente única para coordenar a luta contra a ofensiva de austeridade de Macron. Para forçar o governo não só a retirar seu projeto de lei trabalhista, mas também a esmagar o governo neoliberal, a greve geral por tempo indeterminado deve ser bem organizada e protegida por unidades de autodefesa dos trabalhadores e oprimidas. É muito provável que o aparato do Estado capitalista e suas forças de repressão, ou seja, a polícia e, provavelmente, até os militares, serão mobilizados mais cedo ou mais tarde contra uma greve geral por tempo indeterminado.

10. Em um certo ponto, a greve geral enfrentará uma fase decisiva em que os revolucionários precisam não só defender a transformação das unidades de autodefesa em milícias armadas dos trabalhadores e oprimidos, mas mesmo organizar essa transformação. Este é o único caminho a seguir para ter sucesso, ao mesmo tempo ainda prevenir um banho de sangue. Uma greve geral por tempo indeterminado, se bem-sucedida, poderia levar à queda do governo Macron. Sob as condições atuais, sem a existência de um partido revolucionário de massa, os socialistas devem chamar por um governo baseado nas organizações de massas (principalmente reformistas) do movimento dos trabalhadores, como a CGT e outros sindicatos militantes, bem como partidos como o PCF, o NPA e outros. No entanto, para acabar com a ofensiva capitalista, a classe trabalhadora deve assumir o poder e derrubar a classe dominante. Em outras palavras, deve criar um governo de trabalhadores baseado em conselhos de ação e milícias populares armadas que abrirão o caminho para o socialismo. Somente um levante organizado das massas, uma revolução socialista, pode acabar com a era da exploração permanente e da opressão de nossa classe, seja por um governo de Macron ou por outra pessoa. Somente um levante armado pode alcançar por um governo dos trabalhadores e oprimidos que leve a uma sociedade socialista. Apenas esse caminho pode acabar com os dias de opressão e exploração. Uma França socialista como parte de uma federação europeia de estados socialistas - os Estados Socialistas Unidos da Europa - esta é a resposta revolucionária às ideias de uma "VIª República" de Mélenchon e o França Insubmissa! Para isso, a formação de uma liderança revolucionária dentro de um novo partido trabalhista é essencial. Isso não é apenas do interesse dos trabalhadores e oprimidos na França, mas também em âmbito internacional.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Argentina: Exigimos al gobierno de Macri esclarecimiento sobre el paradero de Santiago Maldonado inmediatamente!


Pronunciamiento de la Corriente Comunista Revolucionaria Internacional (CCRI), 3 de septiembre de 2017, www.thecommunists.net
 
 
 
Santiago Maldonado está desaparecido desde el 1º de agosto tras la represión de la Gendarmería Nacional en contra de la comunidad mapuche Lof en Resistencia, en el Departamento de Cushamen, provincia de Chubut. Dicha represión fue ordenada por el juez federal Guido Otranto con la presencia de Pablo Noceti, viceministro del Ministerio del Interior del gobierno de Macri.
 
Maldonado participaba del piquete en solidaridad con la comunidad mapuche, y contra la extradición a Chile de Facundo Jones Huala, líder de un pequeño grupo llamado Resistencia Ancestral Mapuche (RAM). La última vez que se lo vio a Maldonado fue en medio de la represión donde la Gendarmería les disparaba con balas de plomo y goma a los mapuches en Cushamen. Todas las sospechas indican que a Santiago Maldonado lo mató la Gendarmería en la represión del 1 de agosto y que el mismo Ministerio del Interior encubrió el crimen y escondió el cuerpo.
 
Desde la Corriente Comunista Revolucionaria Internacional (CCRI) exigimos al gobierno de Macri una respuesta sobre el paradero de Maldonado. Llamamos a los movimientos sociales, sindicatos y partidos progresistas a hacer presión sobre el gobierno exigiendo una respuesta inmediata sobre el hecho.
 
* ¡Juicio y castigo a los responsables materiales e intelectuales del crimen y la desaparición de Santiago Maldonado!
 
* ¡No a la extradición a Chile y por la libertad de Facundo Jones Huala!
 
* ¡Alto a la represión al pueblo Mapuche! ¡Por el derecho a su autodeterminación!
 
* ¡Por un gobierno de los trabajadores, campesinos y poblaciones indígenas!
 
* ¡Por un Partido Internacional de la Revolución Mundial!
 
 
 
Secretaria Internacional de la CCRI
 

NAO AO DECRETO DO PRESIDENTE TEMER QUE ELIMINA A RESERVA DA AMAZONIA-RENCA

amazoniaProtesto pela Amazônia


Declaração da CCR, seção brasileira da Corrente Comunista Revolucionária Internacional -CCRI, 09 de setembro de 2017

Em 23 de agosto, o presidente Michel Temer extinguiu uma reserva ambiental de 46.450 quilômetros quadrados (17.800 milhas quadradas) - uma área equivalente em tamanho ao país nórdico Dinamarca - na área de fronteira entre o Pará e o Amapá, conhecida como Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca)

A região possui reservas minerais, incluindo ouro, ferro e cobre. Por exemplo, o governo tenta disfarçar a realidade afirmando que o decreto afirma que a eliminação "não exclui a aplicação de legislação específica sobre proteção de vegetação nativa, das unidades de conservação da natureza e das terras indígenas".

No dia seguinte do decreto do governo, o site da BBC denunciou que em março, cinco meses antes do anúncio oficial do governo, o ministro das Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, anunciou aos empresários daquele país que a área de preservação da Amazônia seria extinta, e que a sua exploração seria leiloada entre empresas privadas. 

O fim da reserva Renca foi apresentado pelo governo Temer durante um evento aberto em Toronto, a Prospectors & Developers Association of Canada (Associação de Garimpeiros e Desenvolvedores do Canadá (PDAC), juntamente com um pacote de medidas para reformular o setor mineral brasileiro, que inclui a criação de uma mineração nacional e Iniciativas para estimular o setor. 

Uma semana após a eliminação da reserva, o presidente Temer e sua comitiva foram para a China para melhorar o comércio exterior. A China é um grande comprador de commodities através do mundo e Temer aproveitará a oportunidade para anunciar a Pequim sobre as "boas novas".

O impacto negativo 

Em contraste, especialistas em questões ambientais Se posicionam fortemente contra este decreto, como Luiz J. Wanderley, pesquisador da Universidade Estadual do Rio de Janeiro - UERJ e membro do Comitê Nacional de Defesa dos Territórios contra a Mineração , que declarou que a eliminação tem em primeiro lugar, um impacto político, e se for aceito, pressionará mais essas terras indígenas e as  UCs (Unidades de Conservação), abrindo outras áreas para a mineração, como uma  indicação de que o governo Temer irá relaxar restrições em áreas que ainda existem.

Mariana Napolitano, coordenadora do núcleo de ciência do WWF Brasil, afirma que o crescente interesse pela mineração na área poderia levar a uma redução nas áreas protegidas e à corrida do ouro, o que resultaria em uma explosão demográfica, mais desmatamento e contaminação de recursos hídricos com metais pesados, além da ameaça às populações indígenas tradicionais.

A resistência dos movimentos sociais 

Várias organizações não governamentais (ONGs) ligadas ao meio ambiente protestaram em 30 de agosto na Câmara dos Deputados contra o decreto que extingue a reserva. Em protesto Na Câmara, ONGs como Greenpeace, WWF-Brasil e SOS Mata Atlântica estavam presentes. Várias entidades feministas e do movimento negro e ambiental, entre outros, do estado do Amapá, escreveram um manifesto sobre a possível extinção da Reserva Nacional com o objetivo de denunciar o caso na mídia nacional e internacional.

A posição da CCR

O Brasil é uma semi-colonia, por isso está sujeito aos ditames dos países imperialistas. Nossa burguesia depende diretamente das Grandes Potências capitalistas. O capitalismo não morre de amor pelo meio ambiente. A implacável busca de lucro não só causa miséria, fome e guerras, como também a destruição dos recursos naturais do planeta, ameaçando as gerações futuras e até mesmo levando ao extermínio da espécie humana. Somente o sistema socialista, onde não há explorador e explorado, onde não há necessidade de destruir os recursos naturais, com a economia planejada, com o fim da desigualdade social, essa humanidade poderá sobreviver. O golpe de Estado que colocou o governo de Temer no comando do Brasil em 2016 demonstra claramente que não são apenas direitos sociais e direitos democráticos que estão sendo lançados ao lixo. O governo está pronto para praticar uma política de terra arrasada que também possui a intenção de devastação no setor ambiental  e a favor de grandes proprietários de terras e grandes corporações transnacionais. Portanto, nós do CCR rejeitamos fortemente o decreto do governo que extinguiu a reserva amazônica RENCA. Chamamos todos os trabalhadores e oprimidos, todos os movimentos sociais e partidos progressistas para se juntar a essa luta. A luta pelo meio ambiente deve estar ligada à luta pela sociedade.

• Pelo cancelamento do decreto que permite o fim da reserva RENCA!

• Pela a proteção de todas as reservas florestais no país!

• Pelo manejo sustentável das florestas na Amazônia e em todas as florestas do mundo, mas com um projeto socialista!